18 janeiro, 2010

Momento baby-blog

À hora do jantar, o rapaz confidencia-me que já sabe "arrotar quando quer" (não sei porquê mas acho que devo agradecer isto ao Sô Manel...). Passa todo o jantar (um arroz de grelos com uma carne recheada com farinheira de porco preto que nem vos passa pela cabeça, e fui eu que fiz) a pedir-me autorização para mostar a nova façanha. Que não, digo eu. Vê-me fraquejar. Argumenta com a estocada final: "vá lá, pai, a mãe não está cá". Cedo, derrotado. Não se safa mal, embora lhe falte aprender a dominar na plenitude as potencialidades de percussão da caixa torácica.